Técnica psicanalista 2023 – Instituto Brasileiro de Terapias Holísticas
TÉCNICA PSICANALISTA

Técnica psicanalista 2023

5/5 - (1 vote)

Loading

Técnica psicanalítica – é a espinha dorsal de uma jornada terapêutica que explora as profundezas da mente. Começa com a construção do que é chamado de “setting analítico”.

TÉCNICA PSICANALISTA
TÉCNICA PSICANALISTA

O clássico divã (técnica psicanalista)

Esta é a configuração na qual a terapia ocorre, definida não apenas pelo espaço físico – o clássico divã, a posição do analista, a disposição dos móveis – mas também pelos rituais e pelo tempo dedicado a cada sessão. Tudo isso é meticulosamente considerado para criar um ambiente seguro e consistente para o paciente.

Atitude analítica (técnica psicanalista)

A “atitude analítica” é outra pedra fundamental da técnica. Não se trata apenas de ouvir o que o paciente diz, mas de como ele diz.

O analista escuta ativamente, com uma mente aberta, tentando discernir os significados ocultos e os sentimentos subjacentes. A escuta analítica vai além das palavras, sintonizando-se com pausas, hesitações, lapsos e até mesmo com o que não é dito.

Intervenção (técnica psicanalista)

Mas a escuta é apenas metade da equação. A intervenção é onde o analista entra em ação. Pode ser uma pergunta, uma observação ou até mesmo um silêncio calculado.

O objetivo? Iluminar áreas de resistência, aquelas partes do self que o paciente, muitas vezes inconscientemente, evita ou reprime.

Manejo de resistência

O “manejo da resistência” é uma dança delicada. O analista precisa identificar quando o paciente está resistindo à introspecção ou à mudança.

Uma vez identificadas, essas resistências são abordadas e trabalhadas, com o analista usando várias abordagens técnicas para ajudar o paciente a superá-las.

Intervenções e interpretações

E então chegamos às intervenções e interpretações. Esta é a arte de traduzir insights em palavras, guiando o paciente através dos labirintos de sua mente.

Não há uma abordagem única. Depende do paciente, do momento e do problema em mãos. Às vezes, uma interpretação pode ser direta; outras vezes, pode ser mais sutil.

Timing

No entanto, o timing é crucial. Uma interpretação prematura pode ser inútil ou até prejudicial. O analista deve sentir quando o paciente está pronto para ouvir e absorver determinados insights.

Como em uma dança, o analista se move em sintonia com o paciente, oferecendo interpretações no ritmo certo.

Ética em psicanálise

Mas tudo isso deve ser enquadrado dentro dos limites da ética em psicanálise” data-wpil-keyword-link=”linked”>psicanálise. É uma profissão que lida com os segredos mais íntimos, as vulnerabilidades e os traumas das pessoas.

A confidencialidade é sagrada. O analista deve ser consciente de seus próprios sentimentos, preconceitos e limitações, garantindo que eles não interfiram no processo terapêutico.

Formação contínua

Além disso, a responsabilidade do analista vai além do consultório. Há o compromisso com a formação contínua, a supervisão e o autoconhecimento. Tudo isso para garantir que eles possam oferecer o melhor cuidado possível ao paciente.

Em suma, a técnica psicanalítica é uma combinação complexa de ciência, arte e ética. Requer treinamento rigoroso, intuição afiada e um profundo compromisso com o bem-estar do paciente.

E, como qualquer outra profissão, evolui com o tempo, adaptando-se às necessidades de uma sociedade em constante mudança.

Conclusão

Através do setting, da escuta, da intervenção e da ética, a técnica psicanalítica busca iluminar as sombras do inconsciente, ajudando os indivíduos a alcançar uma maior compreensão de si mesmos e, por extensão, uma vida mais rica e gratificante.

João Barros

Floripa – 2023

Bibliografia

“Psicanálise e Medicina”
Autor: Nise da Silveira
Ano: 2004

Resenha:

Nise da Silveira, conhecida por sua abordagem inovadora da intersecção entre psicanálise e arteterapia, em “Psicanálise e Medicina”, discute o papel da psicanálise no contexto mais amplo da saúde e da medicina. O livro destaca como os conceitos e técnicas psicanalíticas podem ser aplicados não apenas no tratamento de distúrbios psicológicos, mas também na compreensão e tratamento de condições médicas.

Da Silveira argumenta que a mente e o corpo estão intrinsecamente ligados, e uma compreensão profunda dessa conexão é crucial para qualquer prática médica. Ela explora como traumas, repressões e outros processos psicológicos podem se manifestar fisicamente e como a psicanálise pode oferecer insights valiosos para a medicina em geral.

A autora também destaca a importância da empatia, da escuta e do entendimento no tratamento de pacientes, enfatizando que a medicina não deve apenas tratar o corpo, mas também a mente e a alma do paciente.

“Psicanálise e Medicina” é uma obra provocadora e esclarecedora que oferece uma perspectiva fresca e necessária sobre o papel da psicanálise na medicina contemporânea. É uma leitura essencial para psicanalistas, médicos e todos os interessados na complexa interação entre mente e corpo.

O que é o “setting analítico” na técnica psicanalítica?

Resposta: O “setting analítico” refere-se à configuração na qual a terapia ocorre. Ele é definido não apenas pelo espaço físico, como o clássico divã e a disposição dos móveis, mas também pelos rituais e pelo tempo dedicado a cada sessão. É meticulosamente considerado para criar um ambiente seguro e consistente para o paciente.

Qual é a importância da “atitude analítica” no processo terapêutico?

Resposta: A “atitude analítica” é fundamental na técnica psicanalítica. Ela envolve não apenas ouvir o que o paciente diz, mas focar em como ele diz. O analista escuta ativamente, buscando discernir os significados ocultos e sentimentos subjacentes, indo além das palavras e sintonizando-se com pausas, hesitações e até com o que não é verbalizado.

O que é “manejo da resistência” na técnica psicanalítica?

Resposta: O “manejo da resistência” refere-se ao processo pelo qual o analista identifica quando o paciente está resistindo à introspecção ou à mudança. Uma vez que essas resistências são identificadas, elas são abordadas e trabalhadas com várias abordagens técnicas, ajudando o paciente a superá-las.

Por que o timing é crucial nas intervenções e interpretações em psicanálise?

Resposta: O timing é fundamental porque uma interpretação prematura pode ser inútil ou até prejudicial para o paciente. O analista precisa sentir quando o paciente está pronto para ouvir e absorver certos insights, movendo-se em sintonia com ele e oferecendo interpretações no ritmo certo.

Qual é o papel da ética na psicanálise?

Resposta: A ética é de suma importância na psicanálise, pois trata-se de uma profissão que lida com os segredos, vulnerabilidades e traumas das pessoas. A confidencialidade é considerada sagrada, e o analista deve estar consciente de seus próprios sentimentos, preconceitos e limitações, assegurando que não interfiram no processo terapêutico.

João Barros - empresário/escritor - professor com formação em filosofia/pedagogia, teologia/psicanálise (...) atualmente, diretor pedagógico na empresa SELO BE IBRATH - com foco na supervisão e qualificação dos produtos pedagógicos e cursos livres em saúde, qualidade de vida e bem-estar. Quanto às crenças e valores, vale a máxima: o caráter do profissional em saúde - isto é - dos psicanalistas/terapeutas - determina sua missão. "Mens sana in corpore sano".